• Endereço

    Avenida Meaipe 513, Enseada Azul , Guarapari-ES

  • E-mail

    contato@gmeletrica.com

  • Telefone

    (27) 3129-4309

  • Endereço

    Avenida Meaipe 513, Enseada Azul , Guarapari-ES

  • E-mail

    contato@gmeletrica.com

  • Telefone

    (27) 3129-4309

Soluções em Telefonia e Segurança

CONCERTINA – TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER!

GM ELÉTRICA FORNECE MATERIAL, INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO.

Concertina

Sobre a Concertina:

Concertina é uma barreira de segurança altamente eficiente, normalmente utilizada na parte superior de muros, alambrados, cercas, portões etc.

É fabricada em aço em forma de espiral e possui lâminas pontiagudas, cortantes e perfurantes que podem causar sérios ferimentos.

É um produto originalmente utilizado em proteção de instalações militares,mas que se tornou cada vez mais popular em residências, escolas, estabelecimentos comerciais etc… devido aos altos índices de criminalidade em nossas cidades.

O formato em espiral garante que ela corte para todos os lados, tornando o acesso do invasor muito mais complicado. É a evolução natural do arame farpado, pois é muito mais intimidadora e difícil de cortar com alicates tradicionais.

Possui ainda grande vantagem em relação ao arame elétrico que é mais fácil de ser sabotado e depende de um suprimento constante de energia.

No caso de um ladrão conseguir cortar e passar pela concertina, ao sair ele terá que passar pelo mesmo ponto onde conseguiu romper, pois o restante da barreira de proteção estará intacta. Isso é mais um fator de desestímulo à invasão e que limita as chances de sucesso do roubo. Saiba mais sobre os tipos de cercamentos ideais para sua residência.

As concertinas podem ser fabricadas em diversos diâmetros, modelos de farpas e podem ser galvanizadas ou pintadas. As diferenças de preço e qualidade podem variar bastante, portanto sempre procure por fornecedores confiáveis.

Concertina instalada em muro

Cuidados ao comprar Concertina

Devido ao aumento de popularidade desse produto no mercado de segurança residencial e predial, houveram muitos novos entrantes na fabricação dessas concertinas.

Como em todo mercado temos produtos de todas qualidades, e para que você não seja enganado, veja alguns pontos que devem estar claros na proposta de seu fornecedor:

Arame utilizado na fabricação: 

Certifique-se de que o arame utilizado no interior da concertina possua mais aço em sua composição, e que a concertina não seja produzida com arame comum macio.  Concertinas feitas com arames mais duros dificultam o corte com alicates tradicionais.

Tipo de chapa cortante utilizada:

A chapa utilizada para fazer as lâminas das concertinas podem ser feitas com diversos materiais, e a durabilidade de integridade da concertina dependem disso. O melhor material hoje é o galvalume (que é o mais dúravel), seguido de chapa galvanizada a fogo; evite a chapa galvanizada eletrolítica, pois essa tente a enferrujar em pouco tempo.

Tamanho das lâminas:

 Ao comprar concertinas você deve também se informar sobre o tamanho das lâminas.
Existem vários formatos e tamanhos disponíveis no mercado, sendo bastante comum encontrar modelos menores com a intenção de reduzir custos.
As lâminas podem variar na largura, no comprimento e no espaço entre elas. Lâminas maiores oferecem maior proteção e aspecto visual mais intimidador.

Metragem útil por rolo de concertina:

Você deve cuidar na hora da compra a taxa de aproveitamento por rolo do seu fornecedor, pois muitos vendem por metro, mas a pergunta certa deve ser: – Quantos metros vem num rolo, e qual a distância entre espiras recomendada? Isso porque muitas vezes seu fornecedor pode alegar que seu produto é mais barato porém está recomendando 30cm entre espiras e o outro 25 cm. Isso é crucial de ser questionar na hora da compra.

Marca e informações sobre fabricante:  

Sempre é bom pesquisar o histórico do fabricante, a quanto tempo está no mercado, se tem website ou apenas vende no mercado livre. São pequenas proteções que você pode adotar pra não cair na mão de fornecedores que não estão nem aí pra qualidade do produto e só querem empurrar qualquer concertina disponível em seus estoques.

Concertina simples x concertina clipada

Concertina clipada

A concertina possui uma versão mais robusta para locais que precisam de uma proteção ainda maior. A concertina dupla possui 3 clips de aço por volta, tornando uma barreira extremamente densa e ainda mais difícil de ser rompida.

No caso do modelo simples, ela necessita de fios de aço para dar suporte. Esses fios sendo rompidos podem fazer com que a ela caia de cima do muro ou alambrado. Já a concertina dupla clipada não necessita de suporte de fios de aço, e continuará firme no local mesmo que tenha uma de suas partes cortada.

Instalação de concertina

Recomenda-se a instalação desse material com no mínimo 2 metros de altura, pois pode causar sérios danos a alguém que entre em contato sem a intenção.

Para a adequada instalação, o profissional deve estar bem equipado, principalmente com luvas resistentes, óculos de proteção e capacete.

Quando comercializada em kits, ela já vem com todos os materiais necessários tais como parafusos, buchas, hastes de metal etc.. Também é comum vir um pequeno manual de instalação na própria caixa junto com o produto.

GM ELÉTRICA FORNECE MATERIAL, INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO.

Cerca Eletrificada Email
Tem a função de repelir uma possível invasão pelos muros da propriedade. Não é nociva ao ser humano, por não possuir energia suficiente, pois seu choque é pulsativo com efeito inibitivo, porém o contato com o corpo humano é de extremo desagrado. Cerca EletrificadaO alarme dispara quando há um rompimento ou aterramento dos fios que constituem a rede de proteção do sistema.O processo é o mesmo da cerca censurada.Ocorre que a voltagem é altíssima, na casa dos 8000 Volt e é acionada mediante fuga de corrente. Tendo em vista que funciona através de pulsos elétricos (intervalo mínimo de um segundo entre cada descarga elétrica), sua amperagem vai quase à zero, não ocasionando, assim, mal a saúde.

Quando instalada convenientemente por empresa idônea e seguindo as orientações do fabricante o pulso elétrico recebido pelo agressor, não tem o condão de levá-lo a morte e muito menos feri-lo.

O seu poder de dissuasão é grande, em razão do susto levado pelo invasor.

É uma forma de proteção bastante eficiente. O choque afugenta o intruso sem causar maiores danos e, se os fios forem cortados, o alarme será acionado.

Há dois tipos à disposição no mercado:

» Cercas monitoradas : Permitem a sua integração com uma central de alarme, que poderá estar ligada ou não externamente com uma empresa de segurança eletrônica. Além disso, poderá, quando tocada, acionar alarmes, luzes etc.

» Cercas não monitoradas: Possuem as mesmas características da anterior, porém não podem ser ligadas a uma central de alarme.

Algumas considerações devem ser feitas:

– A instalação da cerca eletrificada deve ocorrer em muros ou alambrados com mais de 2,50 metros, com placas sinalizadoras e não ter contato com vegetação.
– A cerca eletrificadora deve ser instalada de forma perpendicular ou voltada para o interior da propriedade a ser protegida. Também, não se deve vergar a cerca, dentro dos limites da propriedade do vizinho ou rua.
– Apesar da legislação estadual e federal não proibir a utilização do sensor elétrico, é de bom alvitre consultar a legislação municipal a respeito, pois em algumas cidades ocorrem restrições de uso.

A cerca elétrica possui vários atrativos: baixo consumo de energia, maior resistência ao tempo, sendo um produto de total segurança, alta confiabilidade e baixo custo.

» Legislação e Informações Sobre Cercas Elétricas

Utilizada amplamente na Europa e Estados unidos desde 1930, à cerca eletrificada ainda é pouco difundida no Brasil, principalmente pelo desconhecimento generalizado sobre suas aplicações e benefícios, facilidades de instalação e manutenção, baixo custo, além do falso conceito quanto ao eventual “Perigo” que ela possa representar.
Esclarecimentos Jurídicos

  1. A instalação de cerca eletrificada não é proibida, pois se trata de um exercício regular de direito, O artigo 5º, inciso II, da Constituição Federal dispõe que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude da lei”.
  2. A cerca eletrificada é chamada de ofendículo, meio pelo qual o proprietário de um bem coloca aparelhos para impedir e prevenir a invasão de sua propriedade. Não há regulamentação legal no âmbito federal para altura mínima, potência máxima, tipo de choque.
  3. Os artigos 572 e 588 do Código Civil prevêem que “o proprietário pode levantar em seu terreno as construções que lhe aprouver, salvo o direito dos vizinhos e os regulamentos administrativos” e ainda” tem direito de cercar, murar, valar, ou tapar de qualquer modo seu prédio.”
  4. Cumpre analisar a responsabilidade pela eventual morte ou lesão corporal em razão do uso da cerca eletrificada. Destacam-se dois grupos:

a) invasor que pretende cometer ato ilícito (p.ex.: furto, roubo).; e
b) outras pessoas (p.ex.: crianças brincando).

Alguns tribunais já entenderam que o proprietário do imóvel não pode ser responsabilizado pela morte ocorrida em função da descarga de cerca eletrificada. Porém, a maioria entende que o uso de fios elétricos não exclui o crime de homicídio ou lesão corporal, caracterizando-se verdadeira imprudência do proprietário do bem, que responde civil e criminalmente pelos danos causados. Assim, são imprescindíveis certas providências para evitar morte e ou lesão corporal de pessoas que adentrem lícita ou ilicitamente à propriedade, devendo obedecer a critérios razoáveis.

A cerca eletrificada pode ser utilizada desde que siga sério controle por parte da empresa responsável pela instalação do produto, uma vez que seus representantes legais podem ser acionados civil e criminalmente para responder pelos eventuais prejuízos e danos causados pela morte ou lesão corporal.

A única legislação encontrada sobre a matéria é a Lei nº. 8.200 de 23 de setembro de 1998, de Ribeirão Preto (SP). Apesar dessa lei só ter validade neste município, pode ser tomada como parâmetro nas instalações.

Dispõe o artigo 1º da Lei 8.200/98 que: “As empresas responsáveis pela instalação e manutenção da Cerca elétrica deverão adaptá-las a uma altura compatível (Mínimo 2.20 metros de altura), adequada a uma amperagem que não seja mortal, sendo que o local deverá possuir placas, contendo informações que alertem sobre o perigo iminente, em caso de contato humano.”

Parágrafo 2º: A instalação e a manutenção de “cerca elétrica” deverão ser realizadas por empresas com comprovada especialidade técnica.”

Algumas recomendações

• O equipamento não pode oferecer risco à integridade física dos usuários ou de quem venha a “tocar” nele por estar eletrificado.
• O choque provocado pela cerca é conhecido como choque moral, possui alta voltagem e baixa amperagem. É pulsativa. Não queima, não deixa marcas e não faz com que os animais e as pessoas que nela encostem ou segurem fiquem grudadas.
• Não existe atualmente no Brasil legislação que trate do assunto, quer seja proibindo ou autorizando a instalação de cercas eletrificadas em perímetro urbano.
• Existem várias normas sobre cerca elétrica na ABNT, porém como não há nenhuma oficial, no Brasil as mais utilizadas são as editadas pelo Canadá e pelo IEC.
• Embora não exista legislação que trate do assunto, qualquer pessoa que receba o choque ou se sinta incomodada com a situação, pode entrar com uma ação judicial contra o imóvel que a instalou.
Para evitar problemas com ações judiciais, a ABESE recomenda seguir os padrões de orientação existente em outros países, assim como:
• Sinalizar devidamente o local (perímetro) a respeito da cerca e suas conseqüências.
• Informar todos os moradores, funcionários e a quem se faça necessário, que ocupem a área interna da cerca, de sua finalidade e periculosidade. Principalmente as crianças, certificando-se de sua compreensão.
• Informar vizinhos sobre a finalidade e a periculosidade da cerca.
• Desligar o equipamento antes de regar plantas próximas à cerca, fazer podas de árvores ou plantas (caso exista) e fazer manutenção do equipamento ou do muro.
• Utilizar sempre assistência técnica autorizada/credenciada.
• Não deixar que a vegetação, caso exista, venha a tocar a cerca.

No momento de projetar um sistema de segurança eletrônica, saiba que você pode optar por instalar centrais de alarme em sua residência ou empresa que são ou não monitoradas por empresas de segurança especializadas em monitoramento 24h. Saiba, a seguir, o diferencial que essa escolha oferece ao seu projeto.

Centrais de alarmes são soluções em segurança eletrônica muito usadas em residências, empresas e locais públicos de grande e pequeno porte. Essas centrais são compostas por sensores de variados tipos e sistemas que emitem sinais quando detectam alguma ocorrência suspeita. Conheça alguns tipos de sensores e sistemas que compõem uma central de alarme:

  • Sensores magnéticos
  • Sensores de presença
  • Sensores de barreira ativa
  • Cercas elétricas

Sensores magnéticos são normalmente instalados em portas, entradas e janelas e detectam a abertura ou violação delas. Ao serem ativados, eles enviam sinais para a central de alarme informando o evento.

Sensores de presença detectam a presença de pessoas através de tecnologias como infravermelho e micro-ondas. Podem ser utilizados tanto em ambientes internos como externos, neste caso, contando com tecnologias como a PET, que diminui os riscos de falsos disparos causados pela detecção de animais domésticos.

Sensores de barreira ativa que, instalados em pares, comunicam-se entre si através de uma peça transmissora e outra receptora. Quando essa comunicação é “cortada” por um movimento ou invasor, o sensor envia o sinal para a central. Esses sensores são geralmente utilizados em locais onde não é possível instalar cercas elétricas (muros baixos, por exemplo). Apesar de não emitirem pulsos elétricos, são eficazes na detecção de um evento.

Cercas elétricas são geradoras de pulsos elétricos que protegem o perímetro do local e, quando ligadas à centrais de alarmes, comunicam o rompimento ou tentativa de invasão.

Com todos esses recursos acima, o grande diferencial, em termos de eficácia em uma central de alarme, é o monitoramento 24h. Uma central de alarme não-monitorada é um sistema eletrônico destinado a proteger um determinado local. Ao ser acionada por sensores, no caso de sabotagem ou invasão, a central emite um alerta. Porém, é o proprietário quem fica responsável pela verificação do alerta emitido.

Já as centrais de alarme monitoradas possuem monitoramento 24h. Isso significa que, quando a central é acionada, um alerta é enviado para um software monitorado por uma empresa de segurança. Deste modo, elas são os responsáveis pelo monitoramento assistido e verificação de qualquer sinal de alerta no local. A empresa faz contato e envia profissionais especializados para averiguação. Esta é, sem dúvidas, uma solução completa e muito eficaz para proteger o seu imóvel.

Par Sensor de Barreira ECP Ativa IVA com Duplo Feixe Infravermelho e Alcance de 100 Metros Preto

Desenvolvido para garantir mais proteção para a sua casa, sua empresa e para prédios comerciais, o Sensor de Barreira é uma ótima opção para você que deseja ter ainda mais segurança.

Ele pode ser instalado com facilidade, oferecendo monitoramento de presença no espaço em que estiver funcionando. Com barreira de duplo feixe, ele tem a missão de proteger o ambiente contra a invasão de indivíduos.

Você vai poder aplicar esse Sensor em área externa, contando com alcance máximo de até 100 metros. Ele foi confeccionado com materiais de primeira linha, contando com proteção contra sol, chuva e nevoeiro, além de possuir filtro que impede o reflexo de luz. Tudo para oferecer mais segurança a você!

Sistemas de Comunicação Condominial e Residencial

GM ELÉTRICA, fornece material, instalação e manutenção.

Todos nós sabemos que a comunicação é de fundamental importância no mundo, principalmente no nosso dia-a-dia, nas nossas residências. A instalação de um sistema de interfonia, porteiro coletivo ou individual, pode significar além de comodidade, segurança pois evita o contato direto do morador com desconhecidos que acionam contato da residência, o morador poderá acionar remotamente portas e portões a qualquer distância após a identificação do visitante. Por isso, possuímos um corpo técnico capacitado para projetar e fornecer instalação de interfone predial ou individual, além da devida manutenção nos vários sistemas de comunicação de um estabelecimento ou residência.

Conheça as nossas soluções para sistema de comunicação condominial ou residencial

Porteiro Coletivo e Invididual

Nessa modalidade, o visitante aciona a tecla correspondente ao apartamento ou casa desejada, o morador pode permitir o acesso por meio de botoeira ao lado do próprio aparelho ou um outro dispositivo instalado. A desvantagem desse sistema é por não permitir comunicação simultânea entre os moradores e comunicação pode ser interceptada caso um outro morador retire o monofone do gancho.

agl-porteiro-passeg

Porteiro Coletivo

porteiro-individual-intelbras

Porteiro Individual

Porteiro Individual com Câmera ou Vídeo Porteiro

Esse equipamento é semelhante aos anterior, com uma diferença particular, exibe o visitante no monitor, alguns modelos possui a possibilidade de acrescentar uma segunda câmera, fornecendo um campo de visão maior.

Interfone com Câmera

Vídeo Porteiro Intelbras

Central de Comunicação Condominial ou Interfone Coletivo

Esse é o sistema de comunicação mais conhecido nos condomínios e empresas pela sua eficiência, uma das características mais procurada é a possibilidade de comunicação de ramais simultâneos.

1

Central de Portaria Intelbras

Se interessou? solicite um orçamento com conosco!

Entre em contato conosco pelo telefone (27) 3129-4309, e-mail: contato@gmeletrica.com, whatsap : (27) 99926-1155

Vantagens de um portão automático

O portão automático é muito usado em prédios e condomínios por questão de segurança. Mas em casas de rua o uso também é muito recomendado, pois além de reforçar a segurança do seu patrimônio, poupa o tempo gasto para abrir um portão manual que muitas vezes é pesado.

O portão comum requer que a pessoa saia do carro para poder abri-lo e durante esse tempo, está sujeito à tentativas de invasão e assaltos. Já o portão automático é aberto ao acionar um controle remoto, assim, não há a necessidade de sair do carro para abrir ou fechar, dando praticidade ao usuário.

GM ELÉTRICA vai te mostrar algumas vantagens de utilizar um portão automático em sua casa, prédio ou condomínio.

Vantagens do portão automático

  • Segurança

Enquanto espera que o portão abra sozinho, você tem a visão das extremidades de sua rua e pode observar como está a movimentação ao seu redor. Fique atento se houver alguma movimentação suspeita.
O portão automático reduz também de tempo para abrir e fechar ao entrar ou sair de casa, garantindo que o portão fique aberto o menor tempo possível. Dessa forma sua casa fica menos visada.

  • Praticidade

Ele te dá a comodidade de não ter que sair do carro para abrir o portão em dias frios ou de chuva. Ao chegar em casa após o trabalho à noite, não ter que sair do carro para abrir o portão e ficar exposto por um longo tempo.

  • Custo

Além das vantagens citadas acima, o custo de instalar um portão automático em sua residência não é alto, ao contrário do que muitas pessoas pensam.  É o ideal para você que sai muito de carro e faz uso do portão toda hora.

GM ELÉTRICA instala e faz manutenção no PORTÃO AUTOMÁTICO. Confira nossos produtos de segurança eletrônica em nosso site e peça um orçamento PELO WHATSAP (27)99926-1155 / E-MAIL: CONTATO@GMELETRICA.COM / TELEFONE: (27) 3129-4309 !

O que é PABX?

É um equipamento centralizador de linhas e ramais, também conhecido por Central Telefônica, muitas pessoas utilizam os seus ramais em empresas, residências e diversos empreendimentos, permite a comunicação interna (através de ramais) e facilita  a comunicação externa (linhas telefônicas fixas). Tornando a comunicação, mais segura e eficiente, já que proporciona sigilo total entre as ligações. O PABX ainda reduz os gastos com telefonia, pois otimiza o uso do sistema telefônico, trazendo uma ótima relação custo-benefício para seu negócio.

O  significado da sigla “PABX”, vem do inglês (Private Automatic Branch Exchange)  que traduzido para o português fica assim: “Troca automática de ramais privados”,

Sendo assim concluímos que a comutação entre  transferência das ligações internas e externas, acontece sem a intervenção de um operador ou da telefonista.

Evoluindo junto com a tecnologia, hoje temos uma grande variedade de PABXs disponíveis.      Eles estão divididos em classes, PABX Analógico, Digital, Hibrido, VoIp e Virtual.

PABX Analógico – Equipamentos com circuitos e componentes analógicos, projetados para receber linhas fixas convencionais através das operadoras de telefonia fixa, seus ramais não dispõem de recursos avançados. Sua utilização é básica, com alguns recursos como bloqueio de ligação a cobrar e senha para ramais.

PABX  Digital – Esta a frente em relação as centrais analógicas, pois além de melhorar significativamente a qualidade das ligações eliminando ruídos e aumentando o volume do áudio, dispõe de DDR (discagem direta ramal) e entroncamento E1 (tronco digital).

PABX Hibrido – Agrega o melhor das tecnologias Analógica e Digital, e ainda implementa a tecnologia VoIp, permitindo interligar filias a custo zero, reduzindo assim custo, já que depois de configurada ela escolha a rota de menor custo para ligar, dependendo de cada tipo de chamada.

PABX VoIp – Um dos  modelos de PABXs mais complexos e com mais recursos também, pois funciona de forma parecida com um servidor Proxy. Podemos ligar inclusive linhas convencionais através de placas, já que o “PABX Ip” ou “PABX VoIp” funciona como servidor gerenciando permissões dos usuários. Porém este equipamento foi projetado para funcionar com linhas de uma operadora VoIp.

PABX Virtual – Mais moderno e sofisticado, o PABX virtual  é interessante pois permite  o uso de ramais virtuais em qualquer dispositivo com acesso a internet, deixando o usuário conectado a sua rede de ramais em qualquer lugar do mundo. Não há  necessidade de instalações com fios e cabos pois o PABX Virtual é um sistema que funciona hospedado em um provedor na internet. O PABX Virtual é utilizado através de softwares instalados em PC, notebook, tabletes, smartphones, e celulares com acesso a internet.

Agora que você já sabe o que é um  PABX?.  Para que serve, e qual a diferença entre os vários tipos e tecnologias. Escolha um modelo que melhor se adapta ao seu negócio e passe a contar com recursos que facilitam a comunicação e permite o gerenciamento das ligações telefônicas internas e externas de sua empresa ou residência.

2018 - GM Elétrica, todos os direitos reservados - Feito por UpLead
0